AgendaAntenadoNatalNewsTeatro


Titina no Palco Giratório



Circuito nacional de artes cênicas inicia a temporada 2019 em Natal. Serão 642 apresentações de 20 grupos em todos os Estados e no Distrito Federal

O Palco Giratório chega a sua 22ª edição com 642 apresentações e 1.382 horas de oficinas, realizadas por 20 grupos artísticos, alcançando 138 cidades brasileiras. Olançamento nacional acontece no dia 28 de março em Natal (RN), em evento para convidados que contará a intervenção musical dos grupos Folia de Rua e Zamberacatu, apresentação do espetáculo “Meu Seridó”, com a atriz Titina Medeiros do grupo Casa de Zoé (RN) e o show “Batuque-se”, de Sueldo Soares. Entre as novidades desta edição está a Cena Expandida – Circuito Especial, que promoverá ações com duração estendida como residências e mapeamento de artistas.

Há 22 anos, o Palco Giratório promove o trabalho de artistas independentes e manifestações artísticas diversificadas, como dança, circo, teatro, intervenções urbanas e suas interfaces. Além de permitir que os artistas apresentem seus espetáculos em todas as regiões brasileiras, contribui para a formação de público e democratização do acesso à cultura”, destaca Mariana Pimentel, analista de artes cênicas do Departamento Nacional do Sesc.

Os artistas são selecionados por meio de uma curadoria formada por 33 profissionais do Sesc de todo o Brasil. A partir de critérios como diversidade de linguagem, regiões do país, faixa etária e trajetória dos artistas, a curadoria mapeia questões e tendências latentes no contexto atual das artes cênicas brasileiras. 

“A proposta é destacar questões presentes na contemporaneidade por meio da arte: a importância do diálogo, da empatia, do encontro das diferenças, a visibilidade negra, a cultura indígena, as questões do feminino, a diversidade, são algumas das temáticas presentes este ano”, reforça Vicente Pereira Júnior, analista de artes cênicas do Departamento Nacional do Sesc. 

        Nas Cenas Expandidas, Andreza Nóbrega da Vouver Acessibilidade (PE/SC) fará sessões acessíveis, com recursos de audiodescrição,além de uma oficina de teatro focada na relação entre o corpo e acessibilidade. O Cabaré das Rachas, um grupo formado por palhaças de Brasília, convocará artistas/palhaças locais para a construção coletiva de um espetáculo. E no “Performance preta no Brasil: mapeamento, escuta e mediação crítica”, a dupla Saraelton Panamby e Dinho Araujo (MA) desenvolverá junto aos artistas locais um trabalho de pesquisa e ação formativa com propósito de provocar diálogos e vivências sobre a cena negra no país.

Alguns destaques para o público infantil: o espetáculo para bebês “Voa”, do Coletivo Antônia (DF), e o “Tandan!”, da Cia Etc. (PE), que apresentará para o público infantil uma experiência de imersão em dança a partir de estímulos sensoriais.  Na linguagem da dança o Palco contará com a Cia. Suave/ Alice Ripoll (RJ), Gumboot Dance Brasil (SP) e Jessé Batista (AL), com trabalhos que ressignificam as danças urbanas no contexto brasileiro.

Também estão na programação, os grupos 1Comum Coletivo (RJ), Cavalo Marinho Estrela de Ouro (PE), Chocobrothers (SP), Cia Casa Circo (AP), Manada Teatro (CE),Dramaturgia Diones Camargo (RS), Quimera Criações Artísticas e Teatro Ateliê (RS), Soufflé de Bodó Company (AM) e Teatro Público (MG).

Ações Formativas

Além dos espetáculos, o Palco Giratório promove ações formativas a partir de técnicas e processos criativos dos grupos que integram o projeto: Oficinas, atividades abertas para todos e não apenas para os que possuem formação artística;  Intercâmbio, encontro entre um grupo do Palco Giratório e um grupo local para troca de ideias, experiências, técnicas, metodologias e processos criativos; Pensamento giratório, momento para reflexão e discussão aberta ao público que conta com a participação de um grupo do Palco Giratório e de um convidado especial para uma mesa-redonda.

RN no Palco Giratório

Em 2006, o grupo Clowns de Shakespeare estreou a participação potiguar no projeto com “Muito Barulho por quase Nada” e “Roda Chico”. Desde então, o talento potiguar tem sido constante no Palco Giratório com as participações, em 2015 com os grupos: Gira Dança e o espetáculo “Proibido Elefantes” e o grupo Estação de Teatro com “Guerra Formigas e Palhaços”. Em 2016, o grupo Carmin rodou o país com “Jacy” e o grupo de Mossoró Cia Pão Doce de Teatro com a peça “A Casatória c’a Defunta”. Em 2017, foi a vez de Alexandre Américo com “cinzas ao Solo” e mais uma vez o grupo Clowns de Shakespeare com “Abrazo”.

Em 2018, a Cia Trapiá de Caicó circulou com a peça “P’S”, e este ano, o “Meu Seridó” da Casa de Zoé marca o 5º quinto ano consecutivo emplacando grupos e artistas do RN no maior projeto de intercâmbio, circulação e difusão das artes cênicas no país. Mais informações estão disponíveis nowww.sescrn.com.br/palcogiratorio